A dica mais importante para o sucesso na Contabilidade

Você se lembra da primeira dica para a excelência na gestão de sua empresa? Pois bem, para continuarmos com os conselhos, uma coisa precisa ficar muito clara: a micro e pequena empresa, o profissional liberal (médico, dentista, psicólogo, fisioterapeuta etc.), o microempreendedor individual (MEI), o empresário individual (EIRELI), enfim, a imensa maioria dos empreendedores e empresas brasileiras não tem um contador. Contratar um profissional de contabilidade nessa condição fica muito caro. Financeiramente é inviável. Para ilustrar o que estou falando, consultei o site da Catho (em 18/12/2017) e ali consta que a média salarial de um contador no Brasil é de R$4.631,28. Evidente que as pequenas empresas, negócios geralmente familiares, e os profissionais liberais não têm condições de pagar esse salário para seu contador.

Contudo, a contabilidade é obrigatória, devendo obedecer a regras estabelecidas em nossa legislação. Em linhas gerais, o que a legislação estabelece como regra básica é que ninguém pode desobedecer a Lei e usar o ingênuo argumento: “Ah, eu não sabia!”.

Além disso, toda Lei utiliza uma espécie de palavra mágica, pouco usada nas palestras e eventos motivacionais sobre empreendedorismo: multa.

Não sabia? Multa.

Descumpriu a Lei? Multa.

Entregou em atraso? Multa.

Não pagou o imposto? Multa.

Não pagou a taxa? Multa.

Informou errado? Multa.

“Ah, mas, foi sem querer.” Então, justamente porque foi sem querer é que você estará pagando essa multa. Se o Governo entender que foi de propósito, a multa é bem maior!

Que enrascada, hein?! Se você ainda não sabia, o Governo é seu maior sócio, é ele quem cria todas as leis e – pasme – ele não tem dó de ninguém. Se sua empresa quebrar, vem outro e abre outra empresa, e a dança da arrecadação de impostos continua.

Qual foi a solução encontrada por milhões de microempresas, pequenas empresas, profissionais liberais, MEIs etc.? Contratar um escritório de contabilidade. Simples assim.

Isso significa, na prática, que o “seu contador” não é somente seu. Você o está compartilhando com todos os outros clientes do escritório de contabilidade. Para se ter uma ideia, um pequeno escritório tem em torno de 60 a 80 clientes. Grandes escritórios podem ter algo em torno de quinhentos. O que estou querendo dizer é que, se você não seguir a dica 1 de gestão financeira, o escritório de contabilidade não fará isso. Quem conhece profundamente a operação da empresa e, portanto, é o responsável pela gestão, é o próprio empreendedor. O que todo bom escritório de contabilidade faz é dar o suporte para que o empresário comande sua empresa com mais segurança e tranquilidade.

Dependendo de sua operação e do momento que sua empresa vive, minha sugestão é que você agende uma reunião para conversar com seu escritório de contabilidade, apresentar suas necessidades e solicitar um orçamento para contratar esse serviço específico de gestão financeira – ou uma consultoria, quando for o caso.

Veja o que o departamento contábil do escritório de contabilidade vai solicitar a você e perceba que são praticamente as informações e documentos que compõem o relatório de controle de fluxo de caixa, da Top Dica 1:

Não tem fórmula mágica, mas, posso resumir assim:

Sua boa gestão financeira + Serviços de um bom escritório de contabilidade = Suce$$o!

Essa dica vale ouro, não é mesmo? Então fique ligado e acesse os demais artigos, pois temos pela frente mais três dicas igualmente valiosas.

Orçamento

A excelência na gestão financeira de sua empresa

Ser empresário requer muita motivação, tenacidade, paciência, atitude positiva, foco no próprio negócio e na concorrência e profundo conhecimento das necessidades do seu cliente e do mercado em geral.

Como costumo dizer, você tem que ser um especialista em generalidades. Tem que ter uma sólida experiência no seu ramo de atuação. Conhecimento acadêmico também é bem-vindo, se possível. Ambos serão literalmente desafiados todos os dias por todos os tipos de problema que você imagina – e por problemas que você nem sonhava que poderiam existir.

Costumo dizer também que a legislação brasileira é um pântano, feito para você sucumbir facilmente, se não estiver bem preparado. O primeiro passo nesse pântano é fazer o planejamento do seu negócio. Pode parecer algo esotérico, difícil e que não se aplica à sua empresa (pensando aqui que estamos falando das MPEs: micro e pequenas empresas). Porém, é exatamente o oposto: o planejamento não é um bicho de sete cabeças. Deve ser simples e direto. Ele servirá de guia para essa importante etapa inicial do seu empreendimento ou também no caso de sua empresa já existir há vários anos e você estar buscando uma reestruturação.

Fracasso é o jacaré que o persegue nesse ambiente hostil, cheio de perigos decorrentes da complexidade da legislação tributária, trabalhista e do emaranhado de regras burocráticas que reinam absolutas no “país da desburocratização”…

Pois é, assim pode parecer que pretendo tirar da sua cabeça a ideia de começar sua própria empresa; ou – se ela já existe – revitalizá-la, pensando na continuidade do negócio, diante das constantes mudanças. Só que não! Isto é um alerta justamente com o objetivo de lhe mostrar como andar nesse pântano, sem ficar perdido entre bichos peçonhentos e riscos desnecessários. Você não pode mudar o pântano, mas, pode conhecê-lo melhor para se sair bem. Como empresário e como ser humano.

Sou formado em Administração de Empresas, Direito e Ciências Contábeis. Fiz pós- graduação em Marketing pela ESPM. Trabalhei 12 anos como publicitário. Tenho 18 anos de experiência atendendo empresas no escritório de contabilidade. Pode ter certeza que vi, ao longo de todo esse tempo, muito sucesso, e sei que a base do êxito empresarial é o planejamento e a gestão do negócio.

Então, selecionei cinco artigos, cada um com uma dica para a excelência na gestão de sua empresa. A primeira diz respeito à gestão financeira e aqui vai ela:

Continue reading